Avançar para o conteúdo principal

Jesus vai de férias? Aulas de Descanso

Toda a gente conhece pessoas que chegam de férias muito cansadas. A mim, admira-me como é possível que haja quem passe domingos passeando os olhos de cobiça em centros comerciais! Assim, os recomeços do “trabalho”, no dia seguinte, complicam-se.


Parece que nascemos prontos para agir, descobrir e progressivamente mexer e mexer-se, e procurar o que comer, o que fazer. Depois, o organismo dá sinais de desgaste e adormecemos. Mas isso não é o “Descanso”. Viver descansado é uma arte humana e cristã.

Vem à memória aquele bom homem cheio de desejos de cumprir, de chegar a todo lado e a Deus, até porque «Deus nos mandou estar prontos para todo o serviço! Agora não posso, mas venho já», dizia ele, com dois telefones, um olho nas notícias, correndo ao andar de cima, para mais um recado entre dois emails. Corria e mais corria. «Falo-te logo, depois da missa, passo no hospital e quero chegar antes dos miúdos se deitarem». Corria tanto que um dia não aguentou. Então parou e Deus, finalmente, conseguiu alcançá-lo! Era um pouco tarde, mas começaram aí as suas aulas de descanso: a consciência da necessidade de equilíbrio, do dizer ‘Sim’ e Não, de assumir as prioridades.

Jesus descansava
Naquela hora de calor, depois da caminhada, sentou-Se junto ao poço de Jacob. Deixou os discípulos, aprendizes, irem às compras abastecerem-se, sem Ele. Mas o que mais O descansou foi a conversa libertadora e franca com a mulher samaritana; bem como o recordar consolador do tempo em que já não haverá competição de “montes”, de santuários que nos dividem, mas adoraremos, todos, em Espírito e Verdade (Jo 4). Sim, Jesus convidava os discípulos: Vinde a um local sossegado! (Mc6, 31). Ele próprio desaparecia e subia ao monte para rezar a sós (Mt 14, 23). Também descansava com os amigos: sempre que podia, passava em casa de Marta, Maria e Lázaro, sem pressa, partilhava afectos e alimentos (Lc 10, 38). Ensinava a viver em paz, dando paz, sabendo que somos ovelhas no meio de lobos (Lc 10, 6). Aprendeu a peregrinar, sem perder a cabeça, compreensivo e frontal, perdoando e curando os males e o stress de cada um. N’Ele não se viam nem a pressa, nem a ganância, nem o individualismo, fontes de tanto desgaste.

Não haverá aqui um bom programa de formação para as nossas escolas e catequeses, nesta Europa velha e cansada de gente sem lugar, migrantes e desempregados, que, deprimida, tende a substituir o descanso pelo divertimento e pelo consumo fácil?

Onde encontrar descanso?
«Vinde a Mim, vós todos que andais cansados e oprimidos!» (Mt 11, 28). Descansar, mais do que não trabalhar, é agir de outro modo. E férias e tempo livre devem ser tempo de mais liberdade, vivido sabiamente, ocupado naquilo que equilibra, pacifica, cultiva e relaciona melhor com os outros, com o espaço e com o tempo. Numa palavra, o que nos humaniza.

Há três coisas que certamente nos descansam. São as nossas fontes de Jacob: no frio ou no calor, na própria terra ou em terra estrangeira. A primeira é sentir-se e saber-se amado! Não há nada que mais descanse, dando a necessária segurança que cada um precisa para gerir a sua vida, tanto nos sucessos como nos desaires. A segunda fonte é ter um sentido na vida, ou seja, estar profundamente convencido que há futuro, que vale a pena empenhar-se porque, mesmo na dor ou na travessia do deserto, se tem a certeza de que Deus está e a seu tempo tudo se converte em bem para os que O amam. Esta fonte chama-se esperança. A terceira fonte vem de ser reconhecido e saber que se tem lugar neste mundo. Ou seja, estar convencido que se tem uma missão única, como membro único que somos da sociedade e do corpo místico que é Cristo e a sua Igreja.

Treinar para o descanso eterno
Se, como a Bíblia e a Vida nos ensinam, não há maior descanso que amar e ser amado, e se isso, em plenitude, é o Céu para que fomos feitos, então é preciso caminhar nessa direcção e prepararmo-nos, desde já, para alcançar esse pleno de comunhão com Deus e com todos os santos.

Entretanto, o descanso será sempre entremeado de cansaços e percalços, vulnerável, mas pode também ser crescente e englobante se, vivendo à maneira de Cristo as nossas relações com a natureza, connosco próprios, com os outros e com o próprio Deus, nos tornarmos concriadores e criativos, de modo a chegar ao nosso sétimo dia e com Ele descansar.

É preciso treinar. Treinar para ir vivendo já o que de verdade importa e nos descansa, isto é, nos torna plenos no que damos, no que recebemos e no que comungamos. Treinar a contemplação integradora; treinar a justiça pacificadora; treinar a verdade e a solidariedade libertadoras. Tanto trabalho “descansador”!

Rezemos sem preconceitos: dai-nos, Senhor, o eterno descanso.
Esse descanso não é só para missas de defuntos. O descanso eterno não é o que vem depois da morte, mas aquele que se experimenta superando o pecado. O pecado é que nos mata; pois mata a alegria, mata o amor e destrói o descanso.

Na praia ou no campo, no trabalho como na família, na política, na arte e no desporto, em todas as nossas relações e situações, descansar comungando. Fazendo tudo como se tudo dependesse de nós e, simultaneamente, confiando tudo como se tudo dependesse de Deus. E as duas coisas são verdadeiras e descansam.

[Vasco Pinto de Magalhães, s.j. |(in Mensageiro agosto-setembro 2015)]
 
IMISSIO 

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.